• Vicente

Índia: Como (não) pechinchar no país

Atualizado: 16 de Ago de 2020


Se você imagina a Índia como um país super elevado, espiritualizado, onde o dinheiro está em segundo plano, preciso te dizer uma coisa: “India is made for money!” (Índia é feita para o dinheiro!).


Foi assim que o nosso guia explicou da forma mais direta possível como as coisas funcionam por lá. Praticamente, pechinchar (ou barganhar) faz parte da cultura de todo o comércio indiano, mas a experiência que tivemos em Jodhpur foi um pouquinho diferente.


Fonte: Google maps

Jodhpur é uma cidade indiana que fica no estado do Rajastão, no noroeste do país, nas margens do Deserto do Thar. Foi fundada em 1459 (antes da chegada das caravelas de Cabral por aqui), servindo de capital do estado até 1949, quando ocorreu a independência da Índia liderada por Mahatma Ghandi.


A cidade é conhecida como "A cidade azul". A cor (ciano) é considerada sagrada para muitos indianos e em muitas pinturas que você encontra, deuses estão pintados com essa cor. E por isso as casas em Jodhpur foram pintadas assim também.


Jodhpur, a cidade azul. Foto: Vicente Tomazi

A principal atração do lugar é o Forte de Mehrangarh. Construído por Rao Jodha por volta de 1460, é um dos maiores fortes da Índia, situado a 125 metros acima da cidade e cercado por imponentes paredes grossas.

Forte de Mehrangarh. Foto: Vicente Tomazi

Dentro de seus limites existem vários palácios conhecidos por suas intrincadas esculturas e pátios. Uma estrada sinuosa liga à cidade abaixo. Vestígios de projéteis de canhão dos exércitos inimigos vindos de Jaipur ainda podem ser vistos no segundo portão. O museu localizado dentro do forte é um dos mais bem equipados do estado de Rajastão.


A região é famosa por seus artistas, especialmente por seus músicos e cantores.


Quando estivemos por lá levamos uma bela lição dos artistas locais. O que aconteceu é que na Índia é quase falta de educação você não pechinchar o preço das coisas, mesmo que as coisas sejam baratas, e elas geralmente são.


Em Goa, por exemplo, eu fiquei quase uma semana pechinchando com um vendedor da Kashimira porque eu queria muito comprar uma escultura de madeira de uma vaca com um chifre quebrado, igualzinho a uma vaca que eu tinha visto pelas ruas em dias anteriores.


Acervo pessoal. Foto: Vicente Tomazi

Dentro dos salões do Forte de Mehrangarh são organizados eventos onde fazem apresentações de música, de teatro, de fantoches, entre outras. Aliás, um dos fortes mais organizados que visitamos.


Fiquei encantado com um músico que tocava Satoor, um instrumento de cordas, e diversos outros. Quando ele começou a tocar para gente a “Aquarela do Brasil” fiquei super emocionado! Quem diria que tão longe de casa um músico iria tocar uma música que é praticamente um hino nacional brasileiro!




Depois da apresentação fui conversar com o músico, e, então, soubemos que Nawab Khan é um músico famoso na Índia, que já havia tocado em diversas partes do mundo, inclusive no Brasil.


Resolvi comprar o CD com as músicas dele e perguntei o preço. Ele me falou que custava 300 rúpias - então resolvi pechinchar. Ele ficou muito ofendido com a minha oferta. Me disse indignado que com um artista você não pechincha, você paga o preço se gosta e não discute. Eu não sabia, mas é um sinal de falta de educação você pechinchar com um artista na Índia. No final pedi desculpas e ficou tudo bem. Acabei comprando mais dois CDs dele e fui embora.


Na sequência, encontrei um artista que pintava algumas figuras. Eu queria comprar alguma pintura para recordação, então, como já estava alerta, perguntei o preço, não pechinchei, mas também não comprei. Qual foi minha surpresa quando começamos a sair da sala o pintor, muito indignado comigo, começou a reclamar, quase aos berros, porque nós não havíamos comprado a pintura dele.


Enfim, muitas vezes é difícil entender os costumes locais e cometes algumas gafes é normal, como nesses casos.


Na Índia, em algumas (poucas) lojas, colocam placas de aviso nos estabelecimentos: No bargain! (Não pechinche!). Então é melhor não insistir. Uns dias antes eu havia visto uma placa dessas na porta de uma loja e, não por acaso, era uma loja de instrumentos musicais.


Então, fica a dica: quando você for à Índia, não pechinche com os artistas locais!


Sobre a obra e mais informações sobre o artista Nawab Kahn, você encontra em seu site pessoal, YouTube e no Facebook.


Nossas dicas para conhecer mais sobre a Índia:



The Sartorialist - Índia


Livro do fotógrafo de moda Scott Schuman. Famoso por fotografar o estilo de pessoas comuns pelas ruas, Schuman reuniu neste belíssimo livro todo o estilo e beleza do povo indiano. Livro maravilhoso que você pode adquirir um exemplar aqui.








On yoga - The Architecture of Peace


Este livro de Michael O’Neill apresenta lindíssimas fotos dos adeptos da ioga. É um livro maravilhoso para presentear alguém.

O fotógrafo morou por 10 anos na Índia e, além do livro, produziu um documentário que está disponível na Netflix com o mesmo nome.

Recomendamos :)

260 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

@terraemtransito

  • Instagram